Os 10 piores carros do Lata Velha modificados por Luciano Huck

Criado em 2005, o quadro Lata Velha, do programa Caldeirão do Huck, de Luciano Huck, proporcionou vários tipos de reformas em carros dos telespectadores. Para o ‘contemplado’ ter seu carango modificado pelo programa, é necessário ‘pagar um mico’ em plena rede nacional.

A dinâmica da exibição foi baseada no ‘Pimp My Ride’, da MTV dos Estados Unidos. Alegando realizar o sonho do proprietário do carro que precisa da reforma, o Lata Velha obriga-os a aparecerem em condições consideradas, por muitos, vexatórias na TV.

VEJA TAMBÉM

Entretanto, nem sempre as reformas de Luciano Huck e seu Lata Velha têm resultados satisfatórios. O AutoPapo listou o top 10 piores carros já feitos no programa:

10º pior carro modificado por Luciano Huck

Chevrolet Opala ‘picape’ 1987

O Opala Cupê 1987 recebeu modificação do Lata Velha e foi transformado em uma picape. Porém, o resultado não agradou o proprietário, que preferiu abandonar o ‘monstrinho’ em algum lugar da Bahia.

Além disso, seu dono alega que a produção do programa de Luciano Huck não realizou o serviço; e sim, lhe devolveu uma Caravan 1974 transformada em picape. Será?

Brasilia L ‘Trenó’ 1971

Para realizar o sonho do Bom Velhinho de Marliéria (MG), Luciano Huck e sua equipe do Lata Velha decidiu então reformar sua Brasilia L 1971. Para ter um trenó mais evoluído, o Papai Noel solicitou ajuda de Huck. Mas a modificação ficou bem aquém do esperado de ser um carro-trenó, mais parecendo uma transformação esportiva não tão bem feita.

Andariam na Brasilia do Papai Noel?

Fiat 147 City Pick-up 1983 ‘ Relâmpago McQueen’

O proprietário do 147 Pick-up, até então no momento da reforma, era Silvano, eletricista de automóveis em Uberlândia (MG). Com sonho de ter sua própria oficina, quis também que seu carro fosse melhorado pelo Lata Velha.

Assim aconteceu: ‘mais para lá do que para cá’, a picape Fiat 147 foi reformada pela equipe de Huck. Uma modificação de gosto bastante duvidoso, já que o carro recebeu a frente de Uno Mille e a temática do Relâmpago McQueen, protagonista do filme Carros. Gostaram?

Belina 1983 ‘BMW Série 3’

Antes caindo aos pedaços pela praia de Ipanema no Rio de Janeiro, a Belina recebeu a dianteira da BMW Série 3 da década de 1990. Boatos na internet circulam dizendo que para fazer essa modificação, o Lata Velha utilizou parte de outra Belina.

Continuando, ainda dizem que uma carretinha foi feita com o restante da lataria da antiga perua da Ford. Após a transformação feita por Huck e companhia, é possível perceber nas fotos que a Belina BMW Série 3 teve a cor alterada, está sem o retrovisor direito e não conta com todas as rodas de liga leve.

6º pior carro já modificado por Huck

Del Rey 1984 ‘Asas de Gaivota’

del rey 1984 antes depois reforma lata velha

Os alunos de um professor de física fizeram um abaixo-assinado implorando para o Lata Velha reformar o detonado Del Rey 1984 do docente. Luciano Huck, então, acatou o pedido do pessoal e sua equipe partiu para a transformação do velho sedã.

Mas como nem tudo são flores, o resultado da reforma do Del Rey foram adaptações ‘diferenciadas’. A começar pela frente da linha 1990 do Del Rey, depois um rack de teto; o interior do carro totalmente na cor vermelha.

Por último, e não menos importante, as mudanças bizarras: portas que se abrem tipo ‘asas de gaivota’ e traseira da Ford Pampa. Qual nota você daria?

Lata Velha: 5º pior carro já feito

Chevrolet Brasil 3100 1960

Entramos no Top 5 das piores modificações feitas por Luciano Huck e o Lata Velha. A ‘honrada’ – ou desonrada – que abre o topo é uma Chevrolet Brasil 1960. A antiga picape era de ‘Seu Bené’, que a apelidou de ‘Laranjão’ e a usava para trabalhar.

Com o passar dos anos, a Brasil 3100 foi sentindo o peso da idade até ficar em um estado crítico. Momento perfeito para o Lata Velha entrar em ação (ou não).

A transformação manteve, em certa parte, a cara de um automóvel da década de 1960. A cor laranja, que faz jus ao apelido, foi restaurada. O interior recebeu banco inteiriço para três passageiros e volante de época.

Mas como quase tudo tem um ‘porém’, o erro fatal de Huck: a caçamba original da Chevrolet Brasil 1960 não foi mantida e foi substituída por uma do modelo S10 1996, com piso ‘chão de ônibus’; lanternas em acrílico, santantônio e uma rede no lugar da tampa. ‘Gambiarra’ ou não?

Brasilia 1976 ‘Discoteca’ Single Ladies

Há 30 anos sob propriedade da família, a Brasília 1976 já sentia o peso idade e precisava de uma reforma. No lar, as irmãs dançarinas Luanda, Amanda e Taís ganharam o carro da mãe, Maria da Glória.

Já em péssimo estado de conservação, tanto externamente quanto internamente, o Lata Velha decidiu aplicar um ‘bisturi diferenciado’ na antiga Brasília. O novo painel foi totalmente feito em fibra, interior no tom ‘oncinha’ com glitter; luzes de neon para a iluminação interna, som com DVD acima da tampa do motor.

A pintura foi a parte mais ousada: aplicação da cor dourada, também com glitter, e adesivos que simulavam pessoas dançando numa discoteca. Única, não?

Lata Velha: 3º pior carro já feito

Chevrolet Chevette 1982 ‘Show da Xuxa’

Medalha de bronze: a proprietária do Chevette 1982 é fã da Xuxa e enviou uma carta à Luciano Huck e sua produção pedindo ajuda para reformar o velho sedã. Em si, o Chevette estava um caco. Lataria com ferrugens e partes podres; reparos mal feitos e até faltando os piscas das setas dianteiras. Seu interior estavam com bancos rasgados e volante de Corsa 1994.

Motivos suficientes para o Chevette receber uma ‘encorpada’ que agradasse a fã da Xuxa. O que pensou Luciano Huck? Fazer a temática da reforma em homenagem à Rainha dos Baixinhos. O nova pintura, em maior parte, era nas cores dourada e branca; com adereços coloridos a partir da traseira.

O cofre e o motor do carro também foram pintados em várias cores. O interior do Chevetter Show da Xuxa seguiu as cores aplicadas externamente. Todavia, o veículo não recebeu novas rodas de liga leve; apenas calotas. Quanta preguiça, não é mesmo?!

Fiat 147 de 6 rodas ‘Limusine’

A medalha de prata fica com essa ‘belezura’ que o pessoal do Lata Velha criou. O Fiat 147, cuja a dona Maria Rúbia o apelidou de, acreditem, ‘Perereca da Dona Mara’, recebeu uma intervenção das mais ousadas da equipe de Luciano Huck.

Afim de ver o pequeno e velho hatch reformado para sua mãe, os filhos de Mara escreveram para o Caldeirão. E ele acabou sendo escolhido para ser equipado.

Como pode ser denominado esse Fiat 147 ‘Perereca da Dona Mara’? ‘Trucado’? Limusine? Emendado com parte de outro carro igual, o 147 teve o entre-eixos aumentado, ganhou teto solar e sistema de som na traseira. Mas quando levado a uma funilaria, descobriu-se grande quantidade de massa acima da junção na lataria do teto…

O carro mais feio já feito no programa Lata Velha

Volkswagen Logus GLi 1996 ‘Pedreiromóvel’

Desse ninguém tira o posto de campeão da maior bizarrice feita no Lata Velha. Luiz da Silva Leopoldino, conhecido como ‘Luizinho’ em Macaé (RJ), é pedreiro e usava seu Logus GL1 1996 para trabalhar. O carro era ‘pau para toda obra’ para ele, e acabou não aguentando a rotina pesada.

Padecendo à má conservação, o Logus já contava com podres de tamanho considerável na lataria, porta-malas e os bancos bastante desgastados.

Estava no jeito para a intervenção do Lata Velha, que teve a ‘brilhante’ ideia de homenagear o multitarefas Luizinho por todo o Logus. O resultado foi pavoroso: plotagem externa do carro simulando tijolos e azulejos; colher de pedreiro como maçanetas para abrir as portas; marreta como alavanca para passar as marchas.

O bônus extra dessa criatividade de Huck e companhia foi uma carretinha que acompanhava o Logus ‘Pedreiromóvel’. Porém, o Logus acabou sendo abandonado.

Luizinho explica o abandono do Logus ‘Pedreiromóvel’

Fotos: reprodução | Internet

About The Author

Reply